Desencontro - Introdução

terça-feira, julho 19, 2011 / Postado por And_Rodrigues /

Olá

Boa semana para todos. gostaria de agradecer a todos que continuam acompanhando o blog, os que seguem e os novos seguidores, também meus agradecimentos aos visitantes. Sou muito grato por cada um que passa por aqui.

O post de hoje trás novas personagens. Espero que sejam bem recebidos, se assim posso dizer. Uma nova história que espero que todos possam acompanhar e se sentir um pedacinho dela. E que as Doces Almas sejam agraciadas.











Desencontro - Introdução






- Você é um idiota! A voz normalmente doce e suave, voava com facas pela sala de estar.

-Tu não sabes o que esta dizendo. Dizia tentando se manter calma, mas havia uma linha de preocupação na sua voz.

-Ah! Não sei? A raiva cada vez mais aparente em cada frase em cada palavra

-Não! Disse ele com olhos fixos nos dela que começavam a ficar marejados. - Não sei o que tu pensa ter visto, mas lhe garanto...

Como um trovão a voz dela disparo:

- Me poupe Murilo das suas mentiras, eu vi! Ela levantou uma das mãos com que apontando os olhos, como se ele pudesse ver através deles.

Ela apertou os lábios, contendo as lágrimas que tornavam sua vista um pouco embaçada. Visivelmente Murilo escolhia as palavras com cuidado, mas não havia uma só palavra que ela iria acreditar naquele momento.

-Tudo bem! Disse ela quebrando o silencio mordaz do ambiente. - Eu já imaginava que isso iria acontecer!

Ele colocou a cabeça um pouco de lado, olhando incrédulo o que tinha acabado de ouvir, e disse:

-Tu só podes estar brincando Scarlett!

Ele deu um passo para frente para ir em direção a ela. Ela deu um passo para trás no mesmo momento e levou uma das mãos à boca, para conter o que foi somente um som abafado, a outra mão estendeu para frente com a palma da mão de frente para Murilo. Num nítido sinal de “Parado”. Ele ficou estático diante da reação de Scarlett.

As lágrimas corriam pelo seu rosto, inevitavelmente os olhos dele também marejaram, não era isso que ele havia planejado para eles. Ele até podia ser um pouco desligado dessas coisas, poderia não estar a todo o momento falando de como seriam as coisas daqui a cinco, dez anos. Mas ele queria estar ali com ela, isso ele tinha certeza, e dali a cinco dez anos ele queria ainda com ela.

Ela sabia que ele “era o tipo certo de cara errado” sorriso fácil, olhar encantador, não existia garota ou mulher que não sorria com o seu jeito de fazer piada das coisas, inteligente, convencido, e o pior de tudo normalmente estava certo.

- Serena! Ele parecia ter dificuldade até mesmo de falar. - Eu não fiz nada! Uma lágrima seguida de outra caia pelo seu rosto branco, os olhos habitualmente castanhos claros iam sendo tomados pela leve linha verde que ficava contornando o castanho.

Os dois se encararam por algum tempo, ambos agora tinham os olhos tomados. Os cabelos castanhos na altura do queixo repicado caiam no rosto vermelho, ela tentava tirar, mas a droga do cabelo estava como ele queria, e até isso a irritava naquele momento. Tudo que ela conseguia pensar era aquela imagem dele saindo do palco e sendo puxado pela mão por aquelazinha, “como ele pode, como?” Era tudo que ela pensava naquele momento.

Murilo novamente fez como que indo em direção a Scarlett, dessa vez ela não conteve a raiva que sentia dele, fez mais do que um sinal:

-Sai daqui! Berrou ela.

Essa pequena expressão fez todo o corpo de Murilo gelar, os lhos ficaram vidrados na mulher que chorava, se encolhia no canto da sala levava as mãos ao rosto e se deixava cair encostada na parede encolhendo-se, como ele poderia causar aquilo.

Ele deu dois passos em direção a Scarlett e a ouviu dizer bem baixinho entre choro:

-Por favor! Sai daqui... As palavras cortavam Murilo como se cada uma delas fossem enfiadas em algum ponto vital dele, mas a dor dela ao falar cada palavra era infinitamente maior, ela o queria, queria que ele a abraçasse, mas só conseguia pensar que seria ainda pior manda-lo embora depois. Ainda com a voz fraquejando ela continuo:

-Por favor! Sai da minha casa.

Murilo mordeu levemente o lábio inferior para conter as lágrimas que inundavam seus olhos, agora os castanhos claros tão habituais praticamente não existiam, os seus olhos diminuíram, ele pressionou os lábios, abaixou a cabeça fechou bem forte os olhos, e pensava “-Isso só pode ser um pesadelo”. Ele abriu os olhos e lá estava Scarlett entregue as lágrimas. A calça justa branca, a camisa de lã com risca horizontais brancas e rosa claro, descalça. “-Por quê?” ele se perguntava, ele ia falar algo sua boca abriu:

- Sc..

Mas antes que ele pudesse dizer qualquer coisa, a voz dela irrompeu pela sala com violência e desespero, falando quase que pausadamente aos berros:

-SAI DA MINHA CASA!!!

Novamente Murilo segurou as lágrimas, mas elas corriam dos seus olhos pelo seu rosto, ele olhou para o lado fixando em algum ponto perdido. Um espasmo correu pelo seu corpo, ele girou pegou sua case*, uma mochila que estava no chão junto ao sofá que havia sido preparada pela própria Scarlett, jogou-a nas costas e ia saindo da sala, quando viu do outro lado do cômodo.

Ali ele encontrou parado no corredor um parzinho de olhos brilhantes, que estavam marejados com uma pijaminha de corpo inteiro. Murilo colocou a case no chão e foi até o outro lado da sala, Scarlett acompanhou seu movimento sem entender a mudança de rumo, só quando ele chegou próximo ao corredor e ela viu surgir dele duas mãozinhas que ela compreendeu.

Dois Bracinhos mínimos se abriram para um abraço, que já era tão comum entre eles em todas as manhãs, quando Murilo ia até seu quarto a abraça e diz: ”Como você esta fofa?”. Ele não queria tornar nada ainda mais dicifil então fez o que fazia todas as manhãs a abraçou e perguntou:

Como você esta fofa? Tentando deixar a voz num tom normal, e animador.

-Aonde vcê vai? Perguntou uma vozinha fininha que mal conseguia dizer perfeitamente cada palavra.

Ele se afastou e viu aquele par de olhos brilhantes o encararem, aqueles olhos castanhos escuros, o cabelo também castanhos, rosto arredondado e branco, os lábios fininhos porem bem rosas. Ela era incrivelmente linda, e Murilo não conseguia pensar em nada para lhe dizer, simplesmente olhou para os pezinhos dela. Ela passou a mão pelo cabelo curto e castanho claro dele, encostou a mão no seu rosto, e disse:

-Não demora... por favor!

As lágrimas rolavam pelos rostos de Scarlett e Murilo, era inevitável, ele dormia quando brigava com Scarlett junto de Serena, e a levava com ele para todos os lugares, inclusive para ensaios. Ele a olhou novamente com os olhos vermelhos pelas lágrimas que corriam e respondeu com dificuldade:

-Prometo fofa! Apertou os lábios e continuou. – Volto mais rápido do que se voasse na cauda de um cometa.

A pequena Serena abriu um sorriso encantador, puro e contagiante e disse:

- Eu sei pai Muri!

Murilo simplesmente a abraçou mais forte, deu um beijo na sua testa sobre a franja e disse:

-Amo você fofa! Cuida da mamãe pra mim só um pouquinho.

Serena disse um “-sim” bem baixinho, que somente ele ouviu, enquanto ele olhada para Scarlett encolhida no canto da sala, e quando Murilo tornou a olhar para ela, ela balançou a cabeça positivamente.

-Obrigado fofa. Agradeceu Murilo deu um outro beijo em sua testa, levantou, pegou sua case do outro lado da sala e saiu.

Serena foi até Scarlett, sentou no seu colo, enxugou as lágrimas da mãe, e disse:

-Não chora mamis. Ele prometeu que já volta, “mais rápido que cauda de cometa”.

Scarlett abraçou Serena bem forte e disse:

-Uhum, volta sim amor.








^PAR^




Marcadores:

2 comentários:

Comment by Mel Ann on 19 de julho de 2011 20:11

Maravilhoso como sempre :)
Seus texto são incríveis. Continue assim, sempre escrevendo.
Mel :D

Comment by Diemy* on 10 de agosto de 2011 09:33

Um texto diferente do outro do uisque xD Gostei bastante! Conseguiste passar mais uma vez os sentimentos das personagens ;)

Continua assim!

Beijo*

Postar um comentário